MAMÃE NOEL – Uma história da essência do Natal

Posted on Posted in Me Conte Mulher, Sem categoria

Já faz algum tempo que todos os anos, na época do Natal, me visto de Mamãe Noel, a bordo de uma caranga véia , saio no meu bairro distribuindo doces e balas. Sempre com muita simplicidade.
Coisa de história com essência de Natal!

As crianças correm atrás e acreditam que a Mamãe Noel está ali, aquela pitada de esperança que sempre falta nos outros 364 dias, fica escancarada no rostinho daqueles pestinhas, para quem quiser ver.

Esse ano o negócio ficou mais chique, consegui deixar a casinha da Mamãe Noel uma gracinha, lá na praça do bairro, é luzinha piscando pra tudo que é lado, colorido à beça!

E pra completar foi o ano da fartura, balas, doces, brinquedinhos, fiquei muito feliz em ter conseguido juntar mais coisas para entregar, afinal, tinha mais crianças.

Meu dia é dividido em várias tarefas, ser a faxineira em tempo integral duas vezes por semana, a copeira quando surge a oportunidade de um bico, a cozinheira aos finais de semana, isso sem contar que quando chego lá em casa, tem a roupa suja esperando no tanque, as crianças ( acima de 19 anos) querendo a comida da mamãe e o maridão cansado do trabalho.

É um perrenhe danado conciliar tudo, sendo assim, para não ficar indo e vindo, resolvi deixar as doações de balas, doces e brinquedos da Mamãe Noel na casinha que montamos lá na praça, aquela que eu disse que tem luzinha a beça.

Para a surpresa de todos, quando cheguei hoje de manhã tudo havia sido levado por algum desvairado de fome por doces, e carente de brinquedos – vulgo ladrão- . Foi uma tristeza só. Quanto trabalho. Dei duro o ano inteiro correndo atrás de tudo.

Mas bola pra frente. Isso mostrou que nossa comunidade está unida e forte, em menos de 1 semana para o Natal eu e colegas do bairro já conseguimos comprar doces, balas, brinquedos e mais um pouco. Não vai faltar nada para os pestinhas.

Feliz Natal

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Tumblr

E ai, gostou?

Comentários